• Case Cummins

    Case Cummins

    Projetando a nova fábrica de catalisadores: Simulação apoiando a luta contra o aquecimento global

    por José de Lima Roque - Gerente de Manufatura

Sobre a empresa

Histórico Cummins

A Cummins foi fundada em 1919, em Columbus, Indiana (EUA), iniciando a produção de motores estacionários para utilização em agricultura e depois começou a espalhar-se pelo mundo, instalando 80 fábricas de motores, geradores e componentes e 5 mil pontos de serviços em 197 países. Hoje, é a maior fabricante independente de motores diesel do mundo, sendo que a qualidade, a inovação e a alta tecnologia continuam como as principais características dos produtos, que equipam caminhões, ônibus, barcos, tratores, colheitadeiras, trens e motores estacionários.

Em 1974, iniciou suas atividades industriais em Guarulhos (SP). Produzindo uma variada gama de motores, a empresa fornece para diversos segmentos do mercado, entre eles: caminhões de todos os portes, pickups, ônibus, aplicações estacionárias, máquinas de construção, equipamentos agrícolas, máquinas para mineração e aplicações marítimas. A fábrica de Guarulhos tem atualmente capacidade para produzir mais de 90 mil motores por ano. Recentemente, a Cummins Brasil projetou uma nova fábrica para a produção de catalisadores para motores a diesel. Tais catalizadores irão reduzir drasticamente a emissão de NOx e particulados e contribuir de forma fantástica para o futuro de nosso planeta. O projeto da nova fábrica já está pronto e foi totalmente testado através de um modelo de simulação em ProModel feito pela Belge.

Objetivos e escopo

Em função de uma nova lei ambiental que exige que os veículos com motores a diesel tenham catalisadores, a divisão Emission Solutions da Cummins projetou uma nova fábrica para a produção desses catalisadores. Preocupados se a fábrica projetada conseguiria atender a demanda prevista, a Cummins contratou a Belge para desenvolver um modelo de simulação no ProModel, a fim de avaliar a capacidade produtiva da planta e antever a existência de gargalos no processo de produção de catalisadores, podendo atuar sobre os mesmos e assim, atender a demanda com o correto dimensionamento da mão-de-obra e equipamentos.

Modelo de simulação da Cummins

Foram modelados todos os processos produtivos da fábrica de catalisadores, que são divididos em 3 linhas: Catalyst Line, Sub 520 e EGP Line. Cada linha é composta por diversas máquinas, robôs e operadores. Estas 3 linhas serão responsáveis pela produção de toda a gama de produtos que a empresa lançará no mercado.

O modelo considerou paradas por manutenções corretivas dos robôs e máquinas dessas linhas e também paradas por setups. Os recursos humanos operam em turnos pré-determinados, considerando os horários de refeições e dias de folga do operador. Foi considerado também o processo de inspeção dos catalisadores produzidos, onde partes dos mesmos são reprovados em um teste de qualidade e retrabalhados para posteriormente serem reintegrados na linha de produção.

Resultados e Ganhos

Catalisadores produzidos pela Cummins

O modelo mostrou que a linha tem capacidade de produzir o volume necessário para atender a demanda inicial prevista. Porém, para um novo cenário com aumento da demanda, a planta não conseguiria atingir a nova meta. Através da simulação feita com o ProModel, identificamos os principais gargalos da linha de produção e assim a Cummins teve condições de elaborar um plano de ação para atuar sobre os mesmos para conseguir atender as metas de produção para as demandas futuras. A simulação mostrou também que não seria necessária a ampliação da área dedicada para o WIP e da área de acúmulo das peças retrabalhadas antes de serem reintegradas na linha. Se o uso do ProModel não teria sido possível antever estes problemas e resolvê-los a tempo.