Janeiro / 2005
ARTIGO TÉCNICO Simulação - Oportunidades de ganhos, reduzindo perdas por Simultaneidade ou Interferência Por Marcelo Koiti Fugihara Consultor da Belge A simulação é uma poderosa ferramenta que pode gerar economias expressivas através da redução das perdas por interferência ou simultaneidade. Um tipo de perda de produção comum nas empresas é a interferência ou perda por simultaneidade. Este tipo de perda impacta diretamente no rendimento das máquinas, já que parte do tempo, as mesmas ficam paradas pelo fato de não haver recursos / operadores disponíveis para efetuar as ações corretivas para colocá-las em operação.

Esse tipo de cenário é comum em diversos setores produtivos onde um operador é responsável pela produção de várias máquinas que podem parar ao mesmo tempo. Tradicionalmente, as decisões para definir qual a melhor distribuição de recursos para que se consiga um melhor balanceamento das cargas de trabalho e conseqüente ganho com rendimento, fica muito complicado normalmente devido à alta variabilidade do mix de produção. Normalmente as empresas utilizam planilhas e valores médios para estimar o impacto das variáveis, porém acaba ficando pouco preciso e complicado de resolver, à medida que vai aumentando o número de variáveis, a interdependência entre as mesmas e sua variabilidade. Através da simulação é possível dimensionar a carga de trabalho ótima em função de ganhos de rendimento, já que é possível levar em consideração a alta variabilidade de produtos em processo, quantidade de máquinas / operador, curvas probabilísticas de tempos de operação, etc., dando maior realidade ao modelo, permitindo tomada de decisões baseadas em fatos e dados.

Os interessados por este tema podem contatar: mfugihara@belge.com.br
CASE EM DESTAQUE Ganho de R$ 5 milhões / ano obtidos com este projeto A siderúrgica Gerdau (fundada em 1901) é uma grande produtora de aço bruto e laminado, abastecendo tanto para o mercado nacional quanto para o exterior. Na busca pela tecnologia que a ajudasse a melhor decidir sobre os seus projetos de aumento de sua produção, a Gerdau optou por utilizar a simulação, devido à possibilidade se comparar alternativas de projeto. Com um investimento previsto de cerca de US$ 2,5 milhões para a automatização de processos na Laminação 2, a Gerdau Cosigua queria maior segurança antes de efetuar o investimento. Assim, contratou os serviços da Belge para a construção deste modelo de simulação.

Através da simulação a Gerdau Cosigua obteve diversos resultados como: número adequado de paliteiros, gargalos da linha, definição de um lay-out diferenciado, cálculo da capacidade de produção real, etc. Este projeto apontou em tempo problemas que iriam ocorrer (e que eram desapercebidos sem o uso da técnica de simulação) e foram assim evitados. Esses gargalos identificados implicavam em perdas de produção na ordem de R$ 5 milhões / ano (evitados graças ao projeto feito pela Belge com o ProModel).