• Case Gerdau-SP

    Case Gerdau

    Modelagem e Simulação do Layout de Estoque da Gerdau São Paulo.

    por Por Paulo Costa - Chefe de Logística - Gerdau São Paulo

"O projeto gerou aumento de 33% na produtividade e de 10 a 36% na capacidade de estocagem"

Sobre a empresa

O Grupo Gerdau ocupa a posição de maior produtor de aços longos no continente americano, com usinas siderúrgicas distribuídas no Brasil, Argentina, Canadá, Chile, Colômbia, Estados Unidos, Peru, Uruguai. Hoje, alcança uma capacidade instalada total de 19,2 milhões de toneladas de aço por ano.

Elaboração de um modelo de simulação, que focasse o novo layout do estoque de produto intermediário (Tarugos) e do armazem de produtos acabados (Vergalhões), com respectiva redefinição de fluxos de materiais para carga e descarga na unidade industrial. Nesta simulação, os diferentes cenários criados objetivaram identificar a capacidade de expedição nos diferentes pontos, os gargalos dos processos, os níveis máximos e operacionais de estoque, as taxas de ocupação dos equipamentos de movimentação e quadro de lotação para a operação logística de movimentação e armazenagem de produtos intermediários e acabados.

Modelo no Promodel e resultados obtidos pela simulação

Objetivos e escopo

Testar diferentes alternativas de layout para as áreas desgnadas à utilização de estoques, as quais seguiram diversas premissas levantadas pelo Gerente Executivo de Logística "Marcelo Tiacci Schmtti" junto ao comite executivo da Gerdau São Paulo, visando garantir a segurança na operação, uma maior produtividade operacional e a adequação da capacidade de estocagem à capacidade instalada de produção.Através dos cenários simulados (variando demanda, nível de produção e expedição), foram analisados os seguintes resultados:

  • Atendimento dos níveis desejados de expedição para os próximos tres anos de operação( 2007 a 2009);
  • Capacidade de expedição de cada tipo de produto, dadas as restrições impostas pelas características da operação;
  • Taxas de utilização dos recursos dos equipamentos (pontes rolantes);
  • Tempo de permanência de veículos na planta e tempo de carregamento por produto a expedir;
  • Necessidades adicionais de operação de expedição;
  • Mudança do fluxo rodoviário de carregamento;
  • Adequação da capacidade de estoque à produção sem obter perdas ao atendimento à demanda de mercado.

Resultados e Ganhos

Além de assegurar o desempenho do sistema intralogístico de atendimento à demanda de expedição de produtos intermediários e acabados para o mercado interno e externo, este projeto contribuiu para os resultados nos sistemas de segurança , qualidade e contábil, com os seguintes ganhos:

  • Aumento de 33% na produtividade (três anos);
  • Aumento de 36% na capacidade máxima de estoque de produto intermediário;
  • Aumento de 10% na capacidade máxima de estoque de produto acabado;
  • Redução do Tempo de Permanencia de veículos em 16% (um ano) e 33% (três anos);
  • Fluxo rodoviário benchmark sem necessidade de manobras em marcha ré;
  • Redução do capital de giro com operação de expedição em três turnos quando há demanda;
  • Consolidação do fluxo logístico de materiais da unidade industrial Gerdau São Paulo